Eletroencefalograma

O Eletroencefalograma (EEG) é um exame não invasivo e indolor, que possibilita o registro gráfico das correntes elétricas cerebrais, por meio de eletrodos acoplados ao coro cabeludo, seja na superfície encefálica ou na própria substância encefálica.

O exame permite uma ampla avaliação da atividade cerebral e a identificação de alterações no Sistema Nervoso Central. Assim, é indicado para a investigação de doenças e distúrbios, como hemorragias, edemas, narcolepsia, tumores, cefaleias, Acidente Vascular Cerebral (AVC) e uso excessivo de drogas e álcool.

Para realizar o exame, o paciente deve evitar a ingestão de estimulantes, como a cafeína, e seguir algumas recomendações. Além disso, deve higienizar os cabelos com sabonete neutro, secá-los bem para o procedimento e não utilizar cosméticos, como condicionador, laquê ou gel.

O EEG não exige a suspensão de medicamentos, mas, caso o paciente faça uso de algum, deve informar ao profissional que o acompanha durante a realização do exame.

Como é realizado

O exame de Eletroencefalograma pode ser realizado em pacientes de todas as idades. Em alguns casos, crianças e pacientes com dificuldade para dormir podem ter o sono induzido na clínica.

Na hora do procedimento, o paciente deve retirar objetos de metal e, em seguida, sentar-se ou deitar-se sobre a maca. O profissional responsável pelo exame irá dividir seu cabelo em mechas e marcar os pontos nos quais serão aplicados os eletrodos.

Os fios são posicionados, com o auxílio de um gel condutor de eletricidade, e inicia-se o processo de amplificação dos sinais elétricos. Ao longo do procedimento, é possível que o paciente tenha que realizar algumas ações, com a orientação do médico, como respirar rapidamente – o objetivo é estimular respostas dos neurônios.

Os sinais captados pelos eletrodos são traduzidos para o equipamento e enviados ao monitor, no qual há a conversão para gráficos.